sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Sonhos

A pedido de outra família, vamos começar, como se diz em "amaricano", por uma vignette...

"Vencido pela aridez da matéria que estou a estudar sinto que a realidade se começa a esfumaçar... Oiço ao longe a televisão, que dá um daqueles talk shows enfadonhos. De repente, vejo o meu tio Adolfo. Pensava que ele já tinha falecido, mas parece-me tão real... Debita-me um daqueles sermões, que faziam as delícias dos sobrinhos e primos, que fugiam a sete pés sempre que o viam... De repente, começam a surgir, de cada um dos lados do pescoço, mais duas cabeças. Uma delas chama-se Júlio César e tem uma coroa na cabeça... No entanto, é bastante parecido com aquele actor que faz umas peças no Casino do Estoril... No entanto, o meu tio Adolfo chama-lhe "primo Zé"... A outra cabeça é vagamente parecida com o um professor de história da minha escola secundária. Olha-me, do alto dos seus quase setenta anos, com aquele ar quase inquisitorial, por cima dos óculos, e com a voz entre o grave e o agudo: "O menino não sabe, hein? Estudasse!" No entanto, o meu tio Adolfo chama-lhe Pompeu... Pompeu para aqui, Pompeu para ali... como se isso fosse nome de gente... Viro as costas e dou comigo em Paris, em frente à Catedral de Notre-Dame. Curioso, pensei que já lá tinha estado, mas se calhar não... sinto-me como se fosse a primeira vez!
Entretanto, o monstro tricéfalo liderado pelo meu tio Adolfo persegue-me. Quer, à viva força que eu lhe preste atenção, mas eu fujo pela margem do rio. Tento deixá-lo para trás, mas a cada passo que dou, o monstro dá dois.
Está quase a alcançar-me quando sinto que alguém me puxa pelo braço.
Acordo esbaforido. A minha mãe apercebeu-se que adormeci, vencido pelo cansaço, ao estudar para o teste de história de amanhã, sobre o primeiro triunvirato romano, entre outras matérias e deu-me um delicado safanao no braço. Acordo estremunhado, com a sensaçao de quem nao sabe muito bem de que terra é... mas com o alívio de me ter safado de um sermão "Adolfiano"..."

O que dizer sobre os sonhos?

Será que têm o significado premonitório bíblico?

Em primeiro lugar, há que dizer que, se para Freud eles eram a "expressao de um desejo suprimido ou alcançado", me parecem ser muito mais do que isso. Sao o reflexo de um conjunto de estímulos externos e internos que ocorrem durante um estado de semi-consciencia, em interligaçao com os dados que ja se encontram na memória, consciente ou inconsciente, com o humor, com os pensamentos que afloraram à nossa mente durante o dia.
Um exemplo disto, é a distençao do músculo liso da bexiga, com a consequente erecçao reflexa nos homens, que coincidem justamente com os sonhos com a Laetitia Casta ou, mais lusitanamente, com a Soraia Chaves, a menina do gás, ou qualquer outra ninfa com um busto acima de um determinado patamar...
Dizem também alguns autores que é um processo que permite ao nosso sistema de memória, que faz parte, pensa-se, de uma estrutura chamada sistema límbico, apagar os dados que se tornam obsoletos, e permitir assim o armazenamento de novos dados através do estabelecimento de novas conexoes entre neurónios.

Por isso, duas coisas a reter:

  1. Se estao com uma depressao, com o humor em baixo, nao esperem ter sonhos muito agradáveis...
  2. A Soraia Chaves faz com que muitos homens se esqueçam das coisas.

4 comentários:

miss anti-social disse...

" se está com uma depressão não espere ter sonhos agradáveis"???
OK...eu apenas digo que não me lembro de nada (isso é mau ou bom?)

P.s: mais um "selente poste"

Pramos disse...

Bom dia
Parabéns, pelo excelente post.
Parece que tocou na ferida com a frase "Se estao com uma depressao, com o humor em baixo, nao esperem ter sonhos muito agradáveis..."
E,... estanto com uma depressão,(?)sob o efeito de um quimico, (aqui nã há dúvida), os sonhos forem amigáveis...

Se na manhã seguinte, acontecer o que sonhámos durante a noite?
E se isso ocorrer com uma certa frequência?
Senhor doutor isto é mesmo de loucos...
Bem haja
PR

Psiquiatra da Net disse...

A questão aqui é que os sonhos, regra geral, reflectem os pensamentos que acorrem à mente durante o dia... Claro que pode haver excepções à regra...

Quanto ao facto de uma pessoa não se lembrar, nem é bom nem é mau. Isso não significa que a pessoa não sonhe, mas só que os sonhos desaparecem da consciência após o acordar, o que é perfeitamente normal...

Um abraço e obrigado pelos comentários

Sahaisis disse...

curioso, ainda não tinha lido este post, que tem título igual ao mais idiota que escrevi lá no meu blog. graças ao seu ultimo comentário ficou o mistério solucionado. como passo os dias a desejar começar a trabalhar e a pensar naquilo, não sonho com a Soraia Chaves e ainda bem porque é sinal que não penso muito nela ;). o que no meu caso creio que é bom sinal